segunda-feira, 28 de novembro de 2016

ACADEMIA BRIGADIANA DE LETRAS



Na data de ontem, 24 de novembro, a ACADEMIA BRIGADIANA DE LETRAS deu posse a oito novos acadêmicos:
- Alberto Rosa Rodrigues, Cadeira nº. 7, cujo Patrono é Affonso Emílio Massot
- Armando Pereira de Mendonça, Cadeira nº. 12, cujo Patrono é Herito Lopes Sobrinho;
- Bento Matuzalem de Vasconcelos, Cadeira nº. 29, cujo Patrono é Aureliano de Figueiredo Pinto;
- Charles Netto, Cadeira nº. 25, cujo Patrono é Otacílio de Moura Escobar;
- Daniel da Silva Adriano, Cadeira nº. 6, cujo Patrono é Aldo Ladeira Ribeiro;
- Jerônimo Carlos Santos Braga, Cadeira nº. 9, cujo Patrono é João Aldo Danesi;
- Moisés Silveira de Menezes, Cadeira nº. 31, cujo Patrono é Manoelito de Ornellas;
- Ubirajara Anchieta Rodrigues, Cadeira nº. 11, cujo Patrono é José Luiz da Silveira;
- Armando Pereira de Mendonça, Cadeira nº. 12, cujo Patrono é Herito Lopes Sobrinho;
- Bento Matuzalem de Vasconcelos, Cadeira nº. 29, cujo Patrono é Aureliano de Figueiredo Pinto;
- Charles Netto, Cadeira nº. 25, cujo Patrono é Otacílio de Moura Escobar;
- Daniel da Silva Adriano, Cadeira nº. 6, cujo Patrono é Aldo Ladeira Ribeiro;
- Jerônimo Carlos Santos Braga, Cadeira nº. 9, cujo Patrono é João Aldo Danesi;
- Moisés Silveira de Menezes, Cadeira nº. 31, cujo Patrono é Manoelito de Ornellas;
- Ubirajara Anchieta Rodrigues, Cadeira nº. 11, cujo Patrono é José Luiz da Silveira;
A solenidade contou com a presença do Exmo. Sr. Comandante-geral da Brigada Militar, Coronel Alfeu Freitas Moreira e do Subcomandante Coronel Andreis Sílvio Dal'Lago.
Atualmente presidida pelo Acadêmico Alberto Afonso Landa Camargo, que ocupa a Cadeira nº. 1, cujo Patrono é José Hilário Retamozo, a ACADEMIA BRIGADIANA DE LETRAS foi fundada em 21 de abril de 2006, consumando o sonho do seu Patrono Perpétuo JOSÉ HILÁRIO RETAMOZO, que, infelizmente, não pode ver esta intenção consumada em razão do seu precoce falecimento.
Foi na referida data, que se reuniram seus fundadores, Vanderlei Martins Pinheiro, Luis Antônio Velasquez, Délbio Ferreira Vieira, Pércio Brasil Álvares, Cláudio Medeiros Bayerle e Alberto Afonso Landa Camargo, para finalmente ver realizado o sonho do insigne Poeta JOSÉ HILÁRIO RETAMOZO, para ser hoje um marco nas letras e outras artes do Rio Grande do Sul, sem nunca abandonar suas raízes Brigadianas.
Parabéns aos novos Acadêmicos que engrandecem a nossa cultura! Parabém á ACADEMIA BRIGADIANA DE LETRAS, que a partir de ontem está mais engrandecida pela presença destes novos Acadêmicos, autores de grande significação para as letras Brigadianas!
       
        

          MANOELITO DE ORNELLAS PATRONO DA CADEIRA 31

Nasceu Manoelito de Ornellas em 1903, o penúltimo filho de uma prole de sete, em ltaqui, às margens do rio Uruguai, Rio Grande do Sul, no dia 17 de fevereiro. Seus pais são Manoel Pedro de Ornellas, descendente de portugueses da ilha da Madeira, e Anna Guglielmi, de ascendência italiana e francesa, nascida no Uruguai. 
1922- Muda-se, com a família, para Tupanciretã, região do Planalto Médio. 
1928 - Publica pela Emp. Gráfica Ltda., de São Paulo, seu primeiro livro: Rodeio de Estrelas, poesias. 
1930 - Publica o livro de poesias, Arco Íris, pela Livraria do Globo, e Dois Discursos, pela mesma editora. 
1931- Casa-se com Lucy Pinto de Ornellas, prima de Aureliano e José Figueiredo Pinto, amigos de Manoelito. 
1932- Nasce Lília Pinto de Ornellas a única filha do casal. 
1934 -Muda-se, com a família, para Santa Maria. Publica pela São Paulo Editora uma monografia sobre a historia da região missioneira do Estado, Tupay-cy-retã, trabalho que rende, ao autor, uma cadeira de membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. 
1935- Muda-se, com a família, para Porto Alegre. 
1938-  Publica seu primeiro livro de ensaios, Vozes de Ariel, pela Globo. 
1940 - Publica Tradições e símbolos. É agraciado com a Medalha de Prata do 50º aniversário da Proclamação da República, em 20 de maio. 
1943 Publica, com êxito total de crítica, o livro de ensaios Símbolos Bárbaros pela Livraria do Globo. Mais tarde lança O Brasil nos Destinos da América. 
1944 - lnicia uma campanha, por todo o território sul-rio-grandense, pela volta ao regime democrático. Profere conferências e lança o estudo Caminhos originais do Brasil. 
1948 - Publica, pela Editora Globo, o romance histórico Tiaraju. Também sai Gaúchos e Beduínos - a origem étnica e a formação social do Rio Grande do Sul, pela José Olympio, além do ensaio Uma viagem pela Literatura do Rio Grande do Sul, separata da Revista Atlântico, de Lisboa. Traduz e prefacia o romance Ariadne, de Claude Anet, e Tabaré, o poema de Juan Zorrilla de San Martín. 
1952- Lança pela editora Arte no Rio Grande A Filigrana Árabe nas Tradições Gaúchas. 
1954- Publica O Rio Grande do Sul Tradicionalista e Brasileiro e Cadernos de Portugal e Espanha. 
1955 - Edita, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, A Poesia Crioula na Sátira Política.
1956 - Publica A Gênese do Gaucho Brasileiro - Cadernos de Cultura, pelo Ministério de Educação e Cultura. 
1957 - Lança Uma Viagem pela Literatura do Rio Grande do Sul, reedição da Revista Vértice de Lisboa.
1960 - Publica o livro A Cruz e o Alfange pela editora Progresso de Salvador, Bahia.
1964 -  Edita, em plaqueta, a monografia Bolívar Escritor e Tardes e Noites Brasileiras de Cultura.
1965 - Lança Máscaras e Murais de Minha Terra editado pela Livraria do Globo. 
1967 - Publica, pela EDART, de São Pauto, Um Bandeirante da Toscana. 

1969 - Edita, pela Livraria Sulina, Terra Xucra, livro de memórias que formaria uma trilogia com Mormaço e Estuário, este inacabado. Os amigos e intelectuais de São Paulo promovem um lançamento especial para Terra Xucra, em junho, época que Manoelito pronunciou várias conferências. No dia 8 de julho, morre o escritor que dedicou sua vida e obra ás causas da terra onde nasceu.       


                 MOISÉS SILVEIRA DE MENEZES -TITULAR DA CADEIRA 31

  

MOISÉS SILVEIRA DE MENEZES

Coronel RR da Brigada Militar, graduado em Letras Português/Espanhol, poeta, compositor, pesquisador. Nascido em Lavras do Sul, passou a infância e a adolescência entre os municípios de Tupanciretã, São Pedro do Sul e Quevedos, onde tem suas raízes afetivas, suas cacimbas de inspiração. Apaixonado pela terra e gente da Pampa Larga, publicou TAPERA DA ILUSÃO, 1985; em 1989 É FOGO! CAUSOS DOS BOMBEIROS, em parceria com Gilberto Kröeff; IMAGENS DO SUL, 2000, poesia. O seu trabalho Das Margens do Nilo às Barrancas do Uruguai- Uma Viagem Pela Geografia Do Verso, ensaio histórico – poético, é uma declaração de amor à longa caminhada do verso, desde o antigo Egito até os nossos dias, premiado no IV Bivaque da Poesia Gaúcha, de Campo Bom, obteve aprovação como tese no plenário do Congresso Tradicionalista do MGT, em Santa Cruz do Sul, em 1998. Neste mesmo ano editou-se a obra, que em 2006 teve sua 2ª edição, dentro do projeto “IGTF ANO 30”, produzido pela Nativismo Editora. Em 2011 editou Tupan-Cy-Retan –Face Missioneira ensaio histórico enfocando a cidade de Tupanciretã no contexto missioneiro.
Em 2012 publicou Tupanciretã Tempo de (In)Confidências obra que contém relatos pitorescos fruto de várias rodadas de contação de causos promovias pela Prefeitura Municipal daquela cidade.
Em 2015 editou Peregrinas Inquietudes-Poesia obra que tem obtido uma excelente repercussão quer da crítica especializada, quer do público leitor.
Ainda em dezembro desse ano prepara História do Jari, obra da qual é coautor e organizador.
Jurado de eventos de música, poesia e arte declamatória. Membro efetivo da Estância da Poesia Crioula, da Casa do Poeta de Santa Maria, da Casa do Poeta de São Pedro do Sul e da Associação Cultural Zeca Blau de Quevedos. Sua obra poética nativista está reunida em parte nos CDs Imagens do Sul e Poemas & Canções, no qual estão registrados poemas e músicas finalistas de festivais, interpretados por algumas das mais importantes vozes da arte declamatória e do canto do sul do país.
Integra o Grupo 15 RENASCIDOS que edita a revista CAOSÓTICA, revista literária de circulação trimestral, já em sua sexagésima edição.
Para o futuro próximo prepara as seguintes obras:

                 -Tupanciretã –Tempo de Guerra
                 -Diários do Coronel
                 -Quevedos –Sua História Sua gente(História)
                  -São Pedro do Sul Primitivo
                 -A Solidão da Palavra (poesia de temática urbana)
                 -Canção de Andar em Silêncio (CD)
           
 email: moisesmenezes@gmail.com                

Nenhum comentário:

Postar um comentário