sábado, 23 de abril de 2016

SAUDADE ANTIGA






Moisés Silveira de Menezes


Por vezes me bate
uma saudade antiga
não sei
do que
de quem
donde

Saudade estranha
que abate o corpo
bate forte e fica
no bater nervoso
da antiquada porta
no batente solto

Quando me lembro
de quem
do que
donde
ela já se foi

Fico poetando
essa saudade antiga
que sem marcar hora
inoportunamente
inconsequentemente
por vezes me bate

Nenhum comentário:

Postar um comentário